22 maio 2017

An alternative fact


Leio que, na sua deslocação ao Médio Oriente, Donald Trump afirmou estarmos face a uma rara oportunidade de paz na região. O homem é um génio, “believe me!”. Ele consegue ver e concluir o que mais ninguém alcança.

Depois de ter vendido mil milhões de dólares de armas aos Sauditas… para ? Bombardear o Iémen não deverá ser, porque ali já não deve haver canto, recanto ou galinheiro que não tenha sido alvejado…. Para a Síria? Eh pá!! O problema é que aí pode-se saber por onde elas entram, mas não se sabem onde acabam.

Depois de ter condenado e ameaçado o Irão quando, “believe me”, era melhor, para a tal dita paz, procurar alguma equidistância, como fez Obama.

“Well, believe me!” Essa coisa da oportunidade para a paz, é um “real alternative fact”! “Believe me...” Isto está a piorar.


Foto do USAToday

19 maio 2017

Impedir que o mundo se desfaça



"Cada geração, sem dúvida, acredita estar destinada a mudar o mundo. A minha, no entanto, sabe que não o fará. Mas a sua tarefa é talvez ainda maior. Consiste em impedir que o mundo se desfaça.


Esta afirmação, podendo parecer muito premente e atual, quando tantas ameaças, de várias origens e naturezas, pairam sobre o nosso mundo, tem 60 anos. Foi proferida por Albert Camus em 1957, no discurso de aceitação do Prémio Nobel da Literatura.

Os problemas passados parecem-nos frequentemente menores do que os contemporâneos, mas é de recordar que naquela data ainda pairava no ar o cheiro das cinzas da II Guerra Mundial e estávamos em plena Guerra Fria, que, a aquecer, poderia provocar estragos irreparáveis.

O mundo não se desfez e se, até hoje, a Europa não voltou a cair na barbárie, isso foi em muito devido à construção das Instituições Europeias, assim como, com todas as suas deficiências, a ONU contribuiu para o mundo ficar um bocadinho melhor.

Aqueles que hoje menosprezam a “Europa Construída” e pedem excitados a sua desconstrução, não viveram uma guerra. Também não deveria ser necessário tê-la vivido para sentir a necessidade permanente desta prioridade evocada por Camus.

13 maio 2017

Glosa Crua, 12 - Tempo, 0


Doze anos de “glosa crua” e 1635 publicações. Vale algo? Para mim, vale…

Há uns anos, numa daquelas manobras estúpidas que não devo ser o único a fazê-las, apaguei o blog. Nuns instantes iniciais, quando a manobra parecia irreversível, não dei literalmente com a cabeça na parede, mas faltou pouco! Como se me tivesse desaparecido algo de irrecuperável e de muito valioso... para mim.


E continuo celebrando, já que "No tempo em que festejavam o dia dos meus anos, eu era feliz e ninguém estava morto" !

10 maio 2017

Coisas cá da terra


Cenário 1 – Os estrangeiros ignoram ou ridicularizam a participação.

Resposta cá na terra: Estava-se mesmo a ver. Aquilo é absolutamente ridículo; não tem jeito nenhum. É inconcebível como foram escolher uma “coisa” daquelas. Outro resultado não era de esperar.
Acrescentar-se-ia, certamente, uma boa série de piadas e graçolas de natureza e gosto variados.


Cenário 2 – Consta que os estrangeiros gostam e, se calhar, vamos ficar bem.

Resposta cá na terra: Yeahhh!!! Sobral, amigo, estamos contigo! És o maior! Mostra a esses estranjas como se canta! Vamos lá, somos bons…!
E só falta pendurar bandeiras nacionais nas janelas e varandas.

Assim somos...

09 maio 2017

Milagres e Santos


Começando com uma declaração de interesse: sou agnóstico, não sou crente, mas tenho uma matriz cultural cristã. Aprendi a catequese em pequenino e não deixo de me reconhecer nalguns dos valores desta religião.

O que quer que aconteceu em Fátima em 1917, nos calores e nos apertos da primeira República, teria provavelmente uma projeção diferente caso tivesse ocorrido 30 anos antes ou 50 anos depois. No entanto, é um fenómeno social, vivo, que cresceu, que se consolidou e o seu valor atual para os crentes, não seria muito diferente se a sua base de 1917 tivesse sido mais verosímil ou menos fantástica, menos manipulada ou mais genuína. Esta “fé” pode e deve ser respeitada, independentemente das visões e convicções de cada um.

Nesta excitação toda com a vinda do Papa e para lá da proliferação dos vendilhões do templo (inclusive de colchões e de locais para dormir), não consigo entender e aceitar (se é que esse direito tenho) o processo de canonização e a sua sustentação. O critério de ser determinante e suficiente o reconhecimento de um milagre, muitas vezes associado a curas improváveis, parece-me pobre.

Muito mais determinante para o bem-estar humanidade e termos um mundo melhor são os atos e o exemplo deixado pelo próprio. Se algum cego passar a ver e me atribuir o mérito e a inspiração, isso não deverá fazer de mim santo, julgo eu…

07 maio 2017

Partidofobia


Ufa! Macron ganhou; o que se seguirá logo se verá, mas é sempre melhor do que a alternativa e ganhou apesar da demissão da extrema esquerda antifascista, que, provavelmente, gostaria de ter fascistas no poder para poder ser contra e forte. Seria mais interessante passarem a ser a favor de qualquer coisa positiva. A especificidade desta segunda volta é a ausência de candidatos dos partidos tradicionais.

Por cá, vimos a tristeza do PS no Porto, uma historia que nem sequer será potencialmente única deste partido. Como é óbvio, Rui Moreira é o candidato que muito provavelmente vencerá, por mérito próprio, independentemente dos partidos que o apoiem. Mas o PS quis reservar dividendos, para lá do razoável, e Rui Moreira mandou-os passear. Qual a reação do “aparelho”? Começar a malhar de todas as formas e feitios e “denunciar” a partidofobia (bonito, não?) do Presidente da Câmara, independente. Partidofóbicos ficamos nós todos assim e, depois, não vale a pena chorar. Felizmente é o Porto e é Rui Moreira, podia ser outro local e o Tino de Rans.

PS: Vamo-nos prepar para ver a armada de “comentadores” e cuscos oficiais a descobrir e a denunciar os dias em que Rui Moreiras se esqueceu do desodorizante.

29 abril 2017

Dança


Na praça aquecida ao Sol, uma rapariga pôs-se a dançar
Ela roda continuamente, como as bailarinas da antiguidade
Na cidade muito quente, homens e mulheres sonolentos
Espreitam pela janela esta rapariga que dança ao meio dia

Assim, certos dias parecem uma chama aos nossos olhos
Na igreja onde eu ia, chamar-lhe-iam o Bom Deus
O enamorado chama-lhe o amor, o mendigo a caridade
O Sol chama-lhe o dia e o homem bravo a bondade.

Na praça vibrante de ar quente, onde nem sequer um cão aparece
Ondulante como erva ao vento, a rapariga saltita, vai e vem
Nem guitarra nem pandeireta para acompanhar a dança
Ela apenas bate palmas para marcar a cadência

Assim, certos dias parecem uma chama aos nossos olhos
Na igreja onde eu ia, chamar-lhe-iam o Bom Deus
O enamorado chama-lhe o amor, o mendigo a caridade
O Sol chama-lhe o dia e o homem bravo a bondade.

Na praça onde tudo está tranquilo, uma rapariga pôs-se cantar
E o seu canto plana sobre a cidade, hino de amor e de bondade
Mas na cidade demasiado quente, para não mais ouvir o seu canto
Os homens fecham as janelas, como uma porta entre mortos e vivos

Assim certos dias parecem uma chama nos nossos corações
Mas nunca queremos deixar brilhar o seu brilho
Tapamos as orelhas e fechamos os olhos
Não apreciamos muito os acordares
De um coração já envelhecido

Na praça um cão ainda uiva, porque a rapariga se foi
E como o cão uivando a morte… choram os homens a sua sina!

Para marcar o dia, mais uma tradução livre… de quem…? 
Só podia ser do grande Jacques !
"Sur la Place"

26 abril 2017

Mal e ou gordo


Dizer mal, e de de várias pessoas, é mediaticamente muito mais rentável do que elogiar. Veja-se o caso de José Miguel Júdice, de cuja recente entrevista tanto se falou – além de ser mais um pouco de tiro ao Coelho, um desporto muito na moda, numa certa elite do próprio partido.

Achei muiitaaa gira a frase: “Eu tenho uma teoria que, como todas as teorias, é exagerada. Faço a distinção entre magros e gordos. Os gordinhos são mais otimistas. O António Costa é gordinho, o Soares era gordo… Salazar era magro, o Cavaco é magrinho, o Passos é magro, é uma linhagem de pessimistas. Quando alguém está bem com a vida, come melhor”.

Esta frase é um verdadeiro monumento à imbecilidade, que, ao contrário das teorias, pelos vistos sempre exageradas, não precisa de escala. Aparentemente, comer bastante e assim engordar é sinónimo de estar de bem com a vida, sendo o otimismo uma mera consequência ou causa do tamanho do prato. Acho isto irritantemente básico e muito desrespeitoso para com os otimistas que não têm meios ou vontade de comerem como abades (e, já agora, um abade ser magro, que leitura tem?). Pelo menos, percebemos que o próximo líder do partido deverá ser gordinho, para as inteligências do partido e/ou a populaça, não o associarem à suposta linhagem do tal de Santa Comba.

Não ficando apenas pelo dizer mal, vou chamar as palavras de alguém que muito admiro: “Estes dois são demasiado magros para sem desonestos” – Jacques Brel, em “Orly”.

24 abril 2017

Utopias por aí


O resultado da primeira volta das presidenciais, mostra 4 candidatos utópicos, cada qual à sua maneira, e não muito. Estão todos bastante próximos dos 20%, mais coisa, menos coisa.

Macron – Do mal o menos, para já. O futuro o dirá. Recordam-se do entusiamo com a eleição de F. Hollande em 2012? Que abria uma nova via, que marcaria uma diferença, que ia liderar uma Europa mais solidária, humana e patáti-patatá? O resultado foi tão espetacularmente deprimente que, coisa rara, nem se apresentou à reeleição. Hollande tinha o enorme aparelho do PSF por trás, Macron praticamente nem partido tem.

Le Pen – O fato de tratar alguns bois pelos nomes não é suficiente para ignorar algumas dimensões perigosas do seu programa, especialmente nas questões europeias. Como dizem os franceses, não se deve deixar a criança ir junto com a água do banho; questionar o projeto europeu não deveria implicar destrui-lo. Dizem que apela a uma utopia, a do regresso a um passado que na prática nunca existiu. Para muitos é uma utopia simpática.

Fillon – Apelando à utopia de um partido tradicional do poder ser honesto e coerente, ainda por cima ele próprio com telhados de vidro bem escacados (depois, os populistas é que não são sérios).

Mélenchon – Dizem que quer uma Europa mais “solidária”. Os coitadinhos do Sul estenderem a mão aos alemães, ainda vá que não vá… agora a França? Perturbador, e muito, é a admiração do senhor pelas revoluções bolivarianas dos Chavez e companhia. É que essas já está provado não serem utopia – são um pesadelo bem real. Quase 20% dos eleitores entusiasmarem-se com esta patética “França Insubmissa” assusta. Nota: O senhor não deu recomendação de voto para a segunda volta… (ao menos podia ter-se inspirado no Cunhal). Algum paralelismo com Corbyn e o Brexit? Esperemos que só nas aparências.

23 abril 2017

Festival de Folclore Internacional do Alto Minho


Foi em 2011 que para mim começou, embora já existisse há muitos anos. Apareci lá com a 50mm quase a estrear e foi talvez a primeira vez que puxei por ela a sério e muito inseguro. O espetáculo foi interrompido pela chuva e quando retomou, com o palco encharcado, foi para exibições atípicas e sossegadas.

No final, a organização pediu-me para partilhar algumas fotografias, coisa que, quando se começa, nunca se sabe bem onde acaba, :) . A partir daí, nunca falhei nenhuma das edições seguintes e a minha aprendizagem fotográfica deve muito ao FFIAM.

Sei agora que o Festival deixará ser o que era, afogado na pequena política que grassa na politiquice em geral. Se é verdade que tudo tem um fim, é de realçar ser por estas tacanhezas, por estes patéticos pequenos poderes que somos e seremos pequenos, não é pelas piadas parvas de um holandês.

Fica-me a satisfação e o gosto de ter dado a foto para a cartaz da última edição e agradecer a quem o fez durante todos estes anos e … a quem me ajudou a fotografar melhor. A vida continua, mais assim ou mais assado.

19 abril 2017

Quando o PR for grande


Passando respeitosamente ao lado da tragédia em si, que, apesar da espetacularidade da mesma e da sensibilidade do local, nem é propriamente de dimensão extraordinária, nem sei que diga daquela coisa de PR ter ido a correr para Tires. Será como aqueles que, quando lhes cheira a acidente, se aproximam para verem melhor…? Ou será que o PR gostaria de ter sido bombeiro e assim sublima uma vocação desatendida?

Se amanhã cair um automóvel numa ravina em Cebolais de Cima, provocando 5 mortos, o PR também sai para lá a correr? Ou, o Presidente de todos os portugueses, tem mais sensibilidade pelo que se passa na órbita de KasKais? E, se por acaso, o acidente até tivesse um contexto criminoso, eventualmente terrorista, era sítio para um PR ir a correr espreitar?

Sinceramente, esperemos para ver o que ele será quando um dia for grande.


Foto googleada

18 abril 2017

Coerências e deficiências


Que uma certa esquerda admire e aplauda Cuba, que venere a figura de Fidel Castro, apesar de todos os atropelos à liberdade e outras deficiências do regime, parece-me miopia.

Que uma certa esquerda continue a manifestar alguma compreensão e solidariedade pela desgraça em curso na Venezuela, parece-me cegueira.

Agora, que uma certa esquerda, “tradicional”, continue a apoiar e a reconhecer-se na Rússia dos dias de hoje, isso já me custa muito mais a classificar. É que a Rússia atual, dominada pelos oligarcas, não tem nadinha a ver com aquela coisa do comunismo, bom ou mau, utópico ou pragmático.

Os valores por que se rege o país são claramente mais próximos do capitalismo selvagem do que da ditadura do proletariado e sem o mínimo cheirinho de justiça social ou outra.

Senhores e senhoras, camaradas cunhados naquele molde da cintura industrial, a perfilhar e a apoiar um regime que gera e apadrinha Abramovitchs e afins, com os seus iates de luxo e demais extravagancias milionárias… há aqui qualquer coisa que me escapa!

14 abril 2017

Diferenças


Gostamos muito de dizer mal dos alemães, daqui a 50 séculos ainda os estaremos a estigmatizar pelo nazismo, apesar de eles terem resolvido essa sua herança de uma forma quase exemplar, e invocaremos muitas outras coisas, mais do campo da inveja do que do campo do racional e dos princípios.

Ficamos escandalizados por um holandês, daqueles piorzinhos, que gostaria de ser alemão, mas não o é, vir lembrar que receber ajuda também implica obrigações. O dinheiro que recebemos não foi para mulheres e copos, principalmente. Mas algum foi para os copos lá no sul de Espanha onde muitos dos nossos bravos chavalos não viram nada de especial em termos de estragos, apenas paredes riscadas… o que, aparentemente, é uma coisa perfeitamente normal.

Voltando aos alemães, temos nas notícias destes dias a solidariedade dos adeptos do Mónaco com o ataque ao Borússia e os alemães a abrirem as casas e a oferecerem hospitalidade aos monegascos. Foi bonito e uma bofetada de luva branca aos energúmenos que acham que conseguem mudar o nosso mundo. Neste caso, mudaram para melhor.

Por cá, vimos os adeptos de um clube da minha cidade, com o qual (clube) não me identifico, cantarem qualquer coisa como “Ai quem me dera que o avião da Chapacoense fosse do Benfica”. Coisa pontual e não significativa? Não! Vejam o Canelas, do meu concelho (bolas!) e o seu registo de incivilidade de há largos meses e que só se “descobriu” agora, depois de enviarem um árbitro para o hospital.

Continuemos, portanto, a fazer piadinhas com a Sra Merkel e a insultar o Sr Schauble, os culpados disto tudo, que vamos bem…

07 abril 2017

Assad é bruto, mas…


Assad usou armas químicas contra civis, ultrapassando uma linha vermelha e os EUA decidiram que a coisa não podia ficar impune.

Tão simples assim? Consciente de que o que sei será bastante menos do que o que não sei, não consigo deixar de colocar algumas questões. Assad é bruto, mas não estúpido. Qual a vantagem militar deste suposto ataque? Justificaria o risco, confirmado agora, de escalar a intervenção dos EUA, desequilibrando as forças em seu desfavor? Acharia ele que esta provocação seria ignorada pela nova administração americana, muito mais “pró sunita” do que a anterior?

A intervenção direta da Rússia, desde há uns meses, mudou o sentido da guerra. O enfraquecimento do antes poderoso e sempre ignóbil “Estado Islâmico” é consequência disso. Os sunitas do Golfo e da Turquia apreciariam muito uma participação mais ativa dos EUA e conseguiram-na. Será Assad assim tão estúpido, a ponto de ter dado este enorme tiro no seu próprio pé?

Mesmo sendo estúpido e criminoso, o seu enfraquecimento vai reforçar o “Estado Islâmico” e essa nublosa chamada “oposição síria”, que aplaude a intervenção americana com todas as mãos e pés, e que inclui Al-Qaedas e outros grupos radicais islâmicos, aparentemente financiados pelo Golfo. Eu, no lugar do Diabo, a ter que escolher entre os dois cenários maus, não duvidaria.

Não é muito claro o que será a Síria depois de uma derrota militar de Assad, mas coisa decente nunca será. Exemplos ilustrativos até já os há e aí ainda nem sequer se sabe como normaliza-los minimamente.

PS: E para o Iémen, nada …?

05 abril 2017

E é sempre a primeira vez


Obrigado Rui Veloso e Carlos Tê pelo belo hino a esta “Porto Calle”, que tantos anos depois ainda e sempre nos emociona. Sim, “Porto Calle”, porque separar as duas, só por bacocada política, muito pequenina para a grandeza do local.

Onde praticamente não há palácios, porque de nobre só o atributo no mui claro lema. Preguiçosos, presunçosos e parasitas não são bem-vindos, contas pagas na hora e sem complicações e, mesmo no auge das trevas, a inquisição foi impedida de queimar gente nas ruas.

O milhafre ferido na asa, parece que voltou a voar, mas mais do que as distinções e as classificações e o ser o mais isto ou o mais aquilo, a primazia não está na beleza, que é como os chapéus, há muitas; o fundamental é saber ser livre, como tantas vezes o demonstrou.