23 abril 2017

Festival de Folclore Internacional do Alto Minho


Foi em 2011 que para mim começou, embora já existisse há muitos anos. Apareci lá com a 50mm quase a estrear e foi talvez a primeira vez que puxei por ela a sério e muito inseguro. O espetáculo foi interrompido pela chuva e quando retomou, com o palco encharcado, foi para exibições atípicas e sossegadas.

No final, a organização pediu-me para partilhar algumas fotografias, coisa que, quando se começa, nunca se sabe bem onde acaba, :) . A partir daí, nunca falhei nenhuma das edições seguintes e a minha aprendizagem fotográfica deve muito ao FFIAM.

Sei agora que o Festival deixará ser o que era, afogado na pequena política que grassa na politiquice em geral. Se é verdade que tudo tem um fim, é de realçar ser por estas tacanhezas, por estes patéticos pequenos poderes que somos e seremos pequenos, não é pelas piadas parvas de um holandês.

Fica-me a satisfação e o gosto de ter dado a foto para a cartaz da última edição e agradecer a quem o fez durante todos estes anos e … a quem me ajudou a fotografar melhor. A vida continua, mais assim ou mais assado.

19 abril 2017

Quando o PR for grande


Passando respeitosamente ao lado da tragédia em si, que, apesar da espetacularidade da mesma e da sensibilidade do local, nem é propriamente de dimensão extraordinária, nem sei que diga daquela coisa de PR ter ido a correr para Tires. Será como aqueles que, quando lhes cheira a acidente, se aproximam para verem melhor…? Ou será que o PR gostaria de ter sido bombeiro e assim sublima uma vocação desatendida?

Se amanhã cair um automóvel numa ravina em Cebolais de Cima, provocando 5 mortos, o PR também sai para lá a correr? Ou, o Presidente de todos os portugueses, tem mais sensibilidade pelo que se passa na órbita de KasKais? E, se por acaso, o acidente até tivesse um contexto criminoso, eventualmente terrorista, era sítio para um PR ir a correr espreitar?

Sinceramente, esperemos para ver o que ele será quando um dia for grande.


Foto googleada

18 abril 2017

Coerências e deficiências


Que uma certa esquerda admire e aplauda Cuba, que venere a figura de Fidel Castro, apesar de todos os atropelos à liberdade e outras deficiências do regime, parece-me miopia.

Que uma certa esquerda continue a manifestar alguma compreensão e solidariedade pela desgraça em curso na Venezuela, parece-me cegueira.

Agora, que uma certa esquerda, “tradicional”, continue a apoiar e a reconhecer-se na Rússia dos dias de hoje, isso já me custa muito mais a classificar. É que a Rússia atual, dominada pelos oligarcas, não tem nadinha a ver com aquela coisa do comunismo, bom ou mau, utópico ou pragmático.

Os valores por que se rege o país são claramente mais próximos do capitalismo selvagem do que da ditadura do proletariado e sem o mínimo cheirinho de justiça social ou outra.

Senhores e senhoras, camaradas cunhados naquele molde da cintura industrial, a perfilhar e a apoiar um regime que gera e apadrinha Abramovitchs e afins, com os seus iates de luxo e demais extravagancias milionárias… há aqui qualquer coisa que me escapa!

14 abril 2017

Diferenças


Gostamos muito de dizer mal dos alemães, daqui a 50 séculos ainda os estaremos a estigmatizar pelo nazismo, apesar de eles terem resolvido essa sua herança de uma forma quase exemplar, e invocaremos muitas outras coisas, mais do campo da inveja do que do campo do racional e dos princípios.

Ficamos escandalizados por um holandês, daqueles piorzinhos, que gostaria de ser alemão, mas não o é, vir lembrar que receber ajuda também implica obrigações. O dinheiro que recebemos não foi para mulheres e copos, principalmente. Mas algum foi para os copos lá no sul de Espanha onde muitos dos nossos bravos chavalos não viram nada de especial em termos de estragos, apenas paredes riscadas… o que, aparentemente, é uma coisa perfeitamente normal.

Voltando aos alemães, temos nas notícias destes dias a solidariedade dos adeptos do Mónaco com o ataque ao Borússia e os alemães a abrirem as casas e a oferecerem hospitalidade aos monegascos. Foi bonito e uma bofetada de luva branca aos energúmenos que acham que conseguem mudar o nosso mundo. Neste caso, mudaram para melhor.

Por cá, vimos os adeptos de um clube da minha cidade, com o qual (clube) não me identifico, cantarem qualquer coisa como “Ai quem me dera que o avião da Chapacoense fosse do Benfica”. Coisa pontual e não significativa? Não! Vejam o Canelas, do meu concelho (bolas!) e o seu registo de incivilidade de há largos meses e que só se “descobriu” agora, depois de enviarem um árbitro para o hospital.

Continuemos, portanto, a fazer piadinhas com a Sra Merkel e a insultar o Sr Schauble, os culpados disto tudo, que vamos bem…

07 abril 2017

Assad é bruto, mas…


Assad usou armas químicas contra civis, ultrapassando uma linha vermelha e os EUA decidiram que a coisa não podia ficar impune.

Tão simples assim? Consciente de que o que sei será bastante menos do que o que não sei, não consigo deixar de colocar algumas questões. Assad é bruto, mas não estúpido. Qual a vantagem militar deste suposto ataque? Justificaria o risco, confirmado agora, de escalar a intervenção dos EUA, desequilibrando as forças em seu desfavor? Acharia ele que esta provocação seria ignorada pela nova administração americana, muito mais “pró sunita” do que a anterior?

A intervenção direta da Rússia, desde há uns meses, mudou o sentido da guerra. O enfraquecimento do antes poderoso e sempre ignóbil “Estado Islâmico” é consequência disso. Os sunitas do Golfo e da Turquia apreciariam muito uma participação mais ativa dos EUA e conseguiram-na. Será Assad assim tão estúpido, a ponto de ter dado este enorme tiro no seu próprio pé?

Mesmo sendo estúpido e criminoso, o seu enfraquecimento vai reforçar o “Estado Islâmico” e essa nublosa chamada “oposição síria”, que aplaude a intervenção americana com todas as mãos e pés, e que inclui Al-Qaedas e outros grupos radicais islâmicos, aparentemente financiados pelo Golfo. Eu, no lugar do Diabo, a ter que escolher entre os dois cenários maus, não duvidaria.

Não é muito claro o que será a Síria depois de uma derrota militar de Assad, mas coisa decente nunca será. Exemplos ilustrativos até já os há e aí ainda nem sequer se sabe como normaliza-los minimamente.

PS: E para o Iémen, nada …?

05 abril 2017

E é sempre a primeira vez


Obrigado Rui Veloso e Carlos Tê pelo belo hino a esta “Porto Calle”, que tantos anos depois ainda e sempre nos emociona. Sim, “Porto Calle”, porque separar as duas, só por bacocada política, muito pequenina para a grandeza do local.

Onde praticamente não há palácios, porque de nobre só o atributo no mui claro lema. Preguiçosos, presunçosos e parasitas não são bem-vindos, contas pagas na hora e sem complicações e, mesmo no auge das trevas, a inquisição foi impedida de queimar gente nas ruas.

O milhafre ferido na asa, parece que voltou a voar, mas mais do que as distinções e as classificações e o ser o mais isto ou o mais aquilo, a primazia não está na beleza, que é como os chapéus, há muitas; o fundamental é saber ser livre, como tantas vezes o demonstrou.

04 abril 2017

A banalização do terror


Londres há pouco mais de uma semana e agora Moscovo. Curiosamente, se o luto e a consternação ficam, o choque é menor. É banal… inevitável. E isto tem um aspeto positivo – o valor dos atos destes energúmenos diminui. Da inevitabilidade fica a banalidade da barbaridade.

É tão elevado, digno e pleno de alto significado chacinar pessoas que apenas normalmente apanham um transporte público para ir trabalhar, ganhar o dia!

Sois uma grande merda!!!


Foto Googleada

31 março 2017

Redundância e despropósito


Foi numa tarde de domingo, quando depois das voltas habituais e eventualmente das extraordinárias, nos sentamos por uns minutos em frente à televisão, em meia resignação. Passa um filme de tarde de domingo em que há uma ela, bonitinha e querida como deve ser, face a um ele, bom rapaz e algo ingénuo como deve ser. E um deles diz ao outro, de forma muito urgente e assertiva: “Eu amo-te!”. Assim como: “caso não tenhas reparado ou estejas com dúvidas”.

A interpretação não era grande coisa e esse defeito associado ao contexto fez-me pensar, refletir e concluir: isso não é coisa que se diga, assim a avisar, como quem recorda a hora do dentista. É demasiado ridículo. Está certo que Fernando Pessoa bem dizia que as cartas de amor são ridículas e que ainda mais ridículos seriam os que nunca as escreveram. Mas isso são as cartas, em que está um papel real ou virtual pelo meio.

Olhos nos olhos é algo redundante, e eventualmente deselegante, dizê-lo. Transmite-se e sente-se de forma tão mais eficaz quanto menos forem as palavras ditas.

O resto são filmes.

23 março 2017

Uma imagem reconfortante


Numa restaurante na estrada, passam sem som as imagens do ataque terrorista de Londres de ontem e há algo reconfortante na calma e na dignidade como os britânicos lidam com a tragédia. No ministro que socorreu o policia ferido e ficou firme junto dele até chegarem os socorros. Na forma grave e tranquila como o parlamento referiu o acontecimento e homenageou as vítimas.

Do meu lado, reconheço já ter passado a fase da revolta simples, daquela que diz: isto é impossível e tem que acabar. Infelizmente, isto é possível e não irá acabar. E, pelas alminhas, não me venham dizer que “nós” temos uma parte da culpa pelo comportamento assassino destes alucinados.

A frustração que alimenta os discursos extremistas, catalisadores desta barbárie, tem muito a ver com a desilusão de os pós-independências não terem cumprido as expetativas. No entanto, como após 500 anos Portugal ainda é responsável pelo que de mau acontece no Brasil, a Europa ainda terá mais 450 anos de responsabilidade pelas desgraças do Médio Oriente.

Eles vão continuar a matar, iremos ter que viver com isto, mas só peço uma coisa: chamem os bois pelos nomes: assassinos. E todos aqueles que relativizem esta palavra por ações ou omissões, seja numa monarquia, real ou virtual, do Médio Oriente, seja num líder religioso de qualquer credo, seja alguém assim para o moderno, que culpa as colonizações terminadas há 50 anos, que a maioria destes alucinados nem sequer conheceram, todos esses que relativizam a palavra são apoiantes morais destes crimes.

22 março 2017

P*as e vinho verde


Princípio: O sr Dijsselbloem foi infeliz e até mesmo parvinho no que disse? Sim, Foi!

Mas também ignorante. Se ele conhecesse o Sul da Europa e Portugal em particular não teria dito “Copos e mulheres”, mas sim “P*as e vinho verde”, que é a expressão correta e consagrada para o efeito na cultura local. Também foi x-ofebo, y-ogeno e redutor. No mínimo, deveria ter dito: “Copos, charros, mulheres e homens”, para ser minimamente inclusivo e respeitar as causas corretas.

Meio: O sr Dijsselbloem foi infeliz e até mesmo parvinho no que disse? Sim, Foi!

Mas também ignorante. Precisamos de ajuda externa, por causa de alguns vícios, mas não esses. Foram as rotundas cibernéticas e demais gastos autárquicos sem sentido; foram as autoestradas redundantes e demais obras públicas desnecessárias e, principalmente, os milhares de milhões que se evaporaram do BPN, BES e CGD, só para referir os maiores. Esse das “P*as e vinho verde” é um vício muito básico e nunca chegaríamos onde chegamos apenas com isso, mesmo acrescentado os charros e alargando o género. Os nossos governantes são mais sofisticados e eficazes a gastar em vícios do que o senhor pensa.

Fim: O sr Dijsselbloem foi infeliz e até mesmo parvinho no que disse? Sim, Foi!

21 março 2017

Ainda a Holanda e as pontes queimadas

Disse aqui atrás que os resultados das eleições na Holanda, apesar da não vitória dos populistas, não terão sido algo assim tão digno de festejos. Não há recuo do populismo, mas sim avanço, apenas não tão rápido quanto se receava.

No entanto, nestes tempos ocorreu algo mais claramente negativo e veremos se reversível, que é a relação da Turquia com a Europa e a “integração” dos seus imigrantes. A Holanda proibiu os ministros turcos de fazerem campanha no seu território e, independentemente das suas razões ou da falta delas, o que se seguiu tem um certo perfume de pontes queimadas. Erdogan chamou-lhes nazis em vez de se ter queixado de uma forma mais equilibrada e racional (já sem lembrar a sua ordem de prisão par milhares de pessoas no dia seguinte ao golpe falhado). Houve quem lembrasse que na Holanda, o número de imigrantes turcos é superior ao dos efetivos militares. Recomendam-lhes ainda que façam 5 filhos (bastante relevante dado o caráter democrático da Europa; se fosse nazi seria inconsequente).

Alguns imigrantes turcos certamente se terão desolidarizado, mas … os outros que saíram à rua com facas nas laranjas, como querem ser vistos a partir de agora pelos originais do seu país de acolhimento…?

20 março 2017

O populismo perdeu?


Respiraram as elites de alivio, porque o povo na Holanda, não deu a vitória aos populistas. Ouvindo-os, dir-se-ia termos assistido a uma inversão da tendência e, daqui em diante, serão apenas amanhãs cantantes.


Ora bem, o partido do primeiro ministro desceu de 41 para 33 lugares no Parlamento. O partido populista, a besta negra, subiu de 15 para 20. Está certo que não ficou em primeiro lugar, mas, mais importante do que este alívio temporário, é saber se esta tendência se mantém ou se será apenas uma questão de tempo até a besta negra efetivamente vencer.

Enquanto as elites não forem exemplos de liderança e de seriedade e continuarem a serem vistos e a comportarem-se como básicos oportunistas, não estou a ver inversão, pelo contrário. Esta autossatisfação pelo sucesso holandês, que se quer decretar estrutural e consolidado, apenas os ridiculariza e desacredita mais. De vitória em vitória, até…

16 março 2017

Que me desculpem

Que me desculpem Miguel Torga, Fernando Namora e tantos outros, que mesmo não sendo escritores nem tendo deixado um registo literário eloquente da vida que viveram e de tantas que viram viver e morrer, conseguiram manter-se no nível dos comuns mortais que humanamente trataram.

Não foi há muito e pouco importa o local público onde ocorreu, por acaso um restaurante, em que ouvi alguém falar de forma tão enfática, com tanta auto presunção, que pensei imediatamente: este cagão é médico. Uma certa forma de presumidamente se colocar a um nível superior dos outros desgraçados, que desgraçadamente necessitam de se colocar nas suas sábias mãos e têm a vida e o bem-estar dependentes do seu conhecimento. A continuação do discurso, demasiado próximo para não o poder ignorar, confirmou-me o palpite: era, claro estava, médico.

Há uma tira da Mafalda, do Quino, em que o pai dela conversa com alguém na praia, até o interlocutor se declarar …. Médico! Aí, imediatamente, nasce da areia uma coluna pedestal que eleva o senhor doutor dois metros acima do pobre…Perdão, de calções somos (quase) todos iguais.

A assunção de superioridade que uma parte da classe ostenta é a mesma de um rico face a um pobre, a de uma bonita face a uma feia. Só que não está em causa a riqueza material nem os favores da natureza; está em causa o poder sobre a vida. Independentemente do mérito subjacente ao estatuto e à função, a falta de humildade e a sobranceria são algo que me choca. Neste contexto muitíssimo mais!

14 março 2017

Os clássicos


Não sou nada apologista da apologia sistemática das glórias passadas. O foco principal deve estar no que ainda está para vir, mas… o que foi feito também conta e, de vez em quando, não faz mal olhar para isso um pouco.

Uma vez por ano reunimos os “clássicos” da “Efacec Robótica”. O nome original não era bem assim, já mudou, mudará (… como é que é mesmo o próximo?), mas este continua a ser ainda a referencia familiar. Passei por lá 14 anos, saí há 16 e ainda é família.

Não estão todos, alguns por impedimento circunstancial, outros talvez injustamente ainda não convocados, mas lá estivemos a revisitar histórias do passado, comentar as do presente e conjeturar sobre as do futuro, numa pequena volta ao mundo, decorada com episódios de todo o tipo e feitio, sucessos e algumas trapalhadas.

A mesma frontalidade de sempre, a mesma ironia na esquina de cada frase, a mesma forma de tudo questionar, a sério ou a brincar e, sobretudo, infalivelmente, a mesma lealdade mútua. Cada qual na sua forma, no passado ou no presente, reencontra identificação e empenho no projeto que vimos nascer e crescer. Que, como disse o Sr Reding, para grande frustração no momento e posterior desafio: “Está tudo muito bem, mas isso não é coisa que se faça em Portugal!”. Mas fez-se e essa afirmação, proferida com sotaque alemão, acabou por se transformar numa enorme fonte de motivação.

Para o ano lá estaremos, certo?

13 março 2017

“Muita giro!”


Foi por acaso que este domingo segui o acontecimento mediático informativo fundamental semanal da paróquia, a “entrevista” a Marques Mendes, e achei “muita giras” algumas considerações dele sobre a atividade do PR.

“Fala demais?” – pontualmente sim, mas globalmente não. Quando eu um dia for apanhado em excesso de velocidade, tentarei explicar ao polícia que foi uma transgressão pontual, mas que globalmente cumpro os limites.

Que o PR não foi um catavento, como alguns previam. Por exemplo, sobre o sistema financeiro, sempre defendeu a necessidade da estabilidade do mesmo … pois, também era o que faltava...

Outra observação engraçada foi acerca do estilo e a "descrispação" (ou lá como se diz) e o otimismo e os afetos e essas coisas todas ótimas para as fotografias. Dizia MM que o estilo do PR até estava a fazer escola, porque agora também se vê o PM a dar beijinhos e a fazer selfies. Pouco depois lá alfinetou Passos Coelho, sugerindo que ele contactava pouco com a população. Lamentável é que na altura e no sítio onde devem decorrer as discussões sérias, os estilos passem para o trauliteiro.

Estamos num país porreiro onde o PR e o PM dão muitos beijinhos e estão sempre disponíveis para selfiar… se isso contribui para a nossa felicidade, sustentada, já é outra conversa, mas que é “muita giro”, é sim senhor.